line
logo
Menu

Clipping

Diagnóstico e Tratamento dos dentes impactados

31/08/2010 às 00:00

Um dente impactado é aquele que não consegue irromper na cavidade bucal, dentro do tempo esperado, até a sua posição normal na arcada, sendo, portanto patológico e requer tratamento.

Os dentes tornam-se frequentemente impactados por fatores locais e sistêmicos. Entre as causas sistêmicas podemos citar: Síndrome da displasia cleidocraniana, deficiência endócrina (hipotireoidismo e hipopituitarismo), doenças febris, Síndrome de Down e irradiação.

Fatores locais incluem: discrepância entre o tamanho dos maxilares e dos dentes, retenção prolongada de um dente decíduo (de leite), germes dentais mal posicionados, presença de dentes supranumerários ou tumores e fissuras lábio-palatinas. Os dentes mais comumente impactados são os terceiros molares (dente do siso), seguidos pelos caninos superiores, porém qualquer dente pode ser afetado.

Os dentes do siso são os mais frequentemente envolvidos, pois são os últimos a irromperem a cavidade bucal, e por isso os que têm mais possibilidade de não encontrarem espaço para a erupção. A média de idade de erupção dos terceiros molares é por volta dos 20 anos, embora possa continuar até os 25 anos.

O diagnóstico clínico de dentes permanentes impactados é direto, envolve uma inspeção clínica que revela a ausência do dente na sua posição normal, combinada com uma radiografia que mostra a posição do dente não-irrompido.

Como regra geral, todos os dentes impactados devem ser removidos ou reposicionados através de tracionamento ortodôntico ou transplante, tão logo o cirurgião-dentista tenha determinado que o dente não conseguirá irromper.

O profissional não deve recomendar que dentes impactados sejam deixados em suas posições até que causem problemas. A extração precoce entre os 16 e 18 anos reduz a morbidade pós-operatória e permite melhor cicatrização, pacientes mais jovens toleram melhor o procedimento e recuperam-se mais prontamente, com menor interferência em suas rotinas diárias.

Se um dente impactado for mantido no interior do maxilar, existe grande chance de que um ou mais problemas, de uma série, possam se desenvolver. Entre esses problemas podemos citar: Doença Periodontal, Cárie, reabsorção da raiz de dentes vizinhos e Pericoronarite que podem levar a perda de dentes adjacentes e/ou a instalação de processos infecciosos graves na face e no pescoço, podendo necessitar internação hospitalar.

Dentes retidos dentro dos maxilares também podem dar origem a cistos e tumores, esses podem causar fratura de mandíbula quando de grandes proporções e/ou exigir um tratamento cirúrgico agressivo, em alguns casos necessitando cirurgia reconstrutiva para reabilitação, podendo afetar a estética facial.

As contraindicações para a extração de dentes impactados envolvem basicamente o estado de saúde comprometida do paciente, extremos de idade (pacientes muito jovens ou após os 40 anos) e possibilidade de dano excessivo às estruturas (nervos, dentes adjacentes e trabalhos protéticos), nesses casos recomenda-se controle clínico/radiográfico anual.

Um preceito fundamental na filosofia da Odontologia é o da prevenção. A Odontologia preventiva impõe que os dentes impactados sejam removidos antes que surjam complicações.

Lembre-se de consultar seu dentista, pois somente ele poderá recomendar o tratamento específico para o seu caso. A avaliação de cada caso e a indicação de um especialista de confiança faz uma grande diferença no resultado final do seu tratamento.

Clipping

Diagnóstico e Tratamento dos dentes impactados

31/08/2010 às 00:00

Um dente impactado é aquele que não consegue irromper na cavidade bucal, dentro do tempo esperado, até a sua posição normal na arcada, sendo, portanto patológico e requer tratamento.

Os dentes tornam-se frequentemente impactados por fatores locais e sistêmicos. Entre as causas sistêmicas podemos citar: Síndrome da displasia cleidocraniana, deficiência endócrina (hipotireoidismo e hipopituitarismo), doenças febris, Síndrome de Down e irradiação.

Fatores locais incluem: discrepância entre o tamanho dos maxilares e dos dentes, retenção prolongada de um dente decíduo (de leite), germes dentais mal posicionados, presença de dentes supranumerários ou tumores e fissuras lábio-palatinas. Os dentes mais comumente impactados são os terceiros molares (dente do siso), seguidos pelos caninos superiores, porém qualquer dente pode ser afetado.

Os dentes do siso são os mais frequentemente envolvidos, pois são os últimos a irromperem a cavidade bucal, e por isso os que têm mais possibilidade de não encontrarem espaço para a erupção. A média de idade de erupção dos terceiros molares é por volta dos 20 anos, embora possa continuar até os 25 anos.

O diagnóstico clínico de dentes permanentes impactados é direto, envolve uma inspeção clínica que revela a ausência do dente na sua posição normal, combinada com uma radiografia que mostra a posição do dente não-irrompido.

Como regra geral, todos os dentes impactados devem ser removidos ou reposicionados através de tracionamento ortodôntico ou transplante, tão logo o cirurgião-dentista tenha determinado que o dente não conseguirá irromper.

O profissional não deve recomendar que dentes impactados sejam deixados em suas posições até que causem problemas. A extração precoce entre os 16 e 18 anos reduz a morbidade pós-operatória e permite melhor cicatrização, pacientes mais jovens toleram melhor o procedimento e recuperam-se mais prontamente, com menor interferência em suas rotinas diárias.

Se um dente impactado for mantido no interior do maxilar, existe grande chance de que um ou mais problemas, de uma série, possam se desenvolver. Entre esses problemas podemos citar: Doença Periodontal, Cárie, reabsorção da raiz de dentes vizinhos e Pericoronarite que podem levar a perda de dentes adjacentes e/ou a instalação de processos infecciosos graves na face e no pescoço, podendo necessitar internação hospitalar.

Dentes retidos dentro dos maxilares também podem dar origem a cistos e tumores, esses podem causar fratura de mandíbula quando de grandes proporções e/ou exigir um tratamento cirúrgico agressivo, em alguns casos necessitando cirurgia reconstrutiva para reabilitação, podendo afetar a estética facial.

As contraindicações para a extração de dentes impactados envolvem basicamente o estado de saúde comprometida do paciente, extremos de idade (pacientes muito jovens ou após os 40 anos) e possibilidade de dano excessivo às estruturas (nervos, dentes adjacentes e trabalhos protéticos), nesses casos recomenda-se controle clínico/radiográfico anual.

Um preceito fundamental na filosofia da Odontologia é o da prevenção. A Odontologia preventiva impõe que os dentes impactados sejam removidos antes que surjam complicações.

Lembre-se de consultar seu dentista, pois somente ele poderá recomendar o tratamento específico para o seu caso. A avaliação de cada caso e a indicação de um especialista de confiança faz uma grande diferença no resultado final do seu tratamento.