line
logo
Menu

Informativo

Dia das Crianças: pequenos no consultório

11/10/2019 às 18:12

Crianças têm uma curiosidade nata, sempre fazendo perguntas, querendo conhecer o mundo por meio dos cinco sentidos e com muita energia para gastar, inclusive durante as consultas odontológicas. Desenvolver habilidades específicas é fundamental a(ao) cirurgiã(ão)-dentista que atenderá esse público. 


Fora um acolhimento afetuoso, é importante que não só os pais ou responsáveis, como a própria criança, tenha clareza da importância do atendimento odontológico e da rotina de higiene bucal. Essa conversa começa com uma criteriosa anamnese, para que o profissional entenda a realidade da criança e estabeleça uma relação de confiança com ela e seus pais.  


O(a) cirurgiã(ão)-dentista também deve orientar a pessoa responsável sobre o que será realizado e combinar o atendimento no consultório. O ideal é que o pai ou a mãe permaneça ao lado das crianças. No caso de bebês, o atendimento pode ser feito no colo do familiar.  


Durante a consulta e tratamento, é interessante criar uma abordagem lúdica para quebrar o gelo, deixando os pacientes mirins mais à vontade. Usar recursos como bonecos para exemplificar o atendimento, escovas de dente coloridas e demonstrar como funciona o motor de baixa rotação são alternativas para tornar a visita ao profissional de Odontologia mais descontraída. Vale ressaltar que os métodos devem se adequar à faixa etária da criança.  


A(o) cirurgiã(ão)-dentista deve reconhecer que cada fase, desde o bebê até o jovem, requer linguagens e condutas específicas. A paciência é fundamental para o profissional da área da saúde, principalmente ao explicar os procedimentos.  


É necessário, além de uma linguagem própria, mostrar o ambiente, os equipamentos, e observar atentamente como o paciente reage e expressa suas emoções frente a essas situações.  


Especialização  


Os princípios elementares da Odontopediatria e da abordagem a esses pacientes são apresentados em disciplinas dos cursos de graduação em Odontologia. Assim, os alunos se formam com noções básicas da área, mas caso haja interesse em aprofundar o conhecimento, é recomendado que o profissional busque mais informações, cursos ou participe de congressos de Odontopediatria.  


A especialização é essencial para quem deseja construir uma carreira na área porque habilitará a(o) cirurgiã(ão)-dentista a diagnosticar, tratar e controlar problemas de saúde bucal do bebê, da criança e do adolescente.  


Na capital paulista e nas cidades do interior do Estado, o curso de especialização em Odontopediatria é oferecido em universidades públicas e privadas, com duração média de 24 meses. 

Informativo

Dia das Crianças: pequenos no consultório

11/10/2019 às 18:12

Crianças têm uma curiosidade nata, sempre fazendo perguntas, querendo conhecer o mundo por meio dos cinco sentidos e com muita energia para gastar, inclusive durante as consultas odontológicas. Desenvolver habilidades específicas é fundamental a(ao) cirurgiã(ão)-dentista que atenderá esse público. 


Fora um acolhimento afetuoso, é importante que não só os pais ou responsáveis, como a própria criança, tenha clareza da importância do atendimento odontológico e da rotina de higiene bucal. Essa conversa começa com uma criteriosa anamnese, para que o profissional entenda a realidade da criança e estabeleça uma relação de confiança com ela e seus pais.  


O(a) cirurgiã(ão)-dentista também deve orientar a pessoa responsável sobre o que será realizado e combinar o atendimento no consultório. O ideal é que o pai ou a mãe permaneça ao lado das crianças. No caso de bebês, o atendimento pode ser feito no colo do familiar.  


Durante a consulta e tratamento, é interessante criar uma abordagem lúdica para quebrar o gelo, deixando os pacientes mirins mais à vontade. Usar recursos como bonecos para exemplificar o atendimento, escovas de dente coloridas e demonstrar como funciona o motor de baixa rotação são alternativas para tornar a visita ao profissional de Odontologia mais descontraída. Vale ressaltar que os métodos devem se adequar à faixa etária da criança.  


A(o) cirurgiã(ão)-dentista deve reconhecer que cada fase, desde o bebê até o jovem, requer linguagens e condutas específicas. A paciência é fundamental para o profissional da área da saúde, principalmente ao explicar os procedimentos.  


É necessário, além de uma linguagem própria, mostrar o ambiente, os equipamentos, e observar atentamente como o paciente reage e expressa suas emoções frente a essas situações.  


Especialização  


Os princípios elementares da Odontopediatria e da abordagem a esses pacientes são apresentados em disciplinas dos cursos de graduação em Odontologia. Assim, os alunos se formam com noções básicas da área, mas caso haja interesse em aprofundar o conhecimento, é recomendado que o profissional busque mais informações, cursos ou participe de congressos de Odontopediatria.  


A especialização é essencial para quem deseja construir uma carreira na área porque habilitará a(o) cirurgiã(ão)-dentista a diagnosticar, tratar e controlar problemas de saúde bucal do bebê, da criança e do adolescente.  


Na capital paulista e nas cidades do interior do Estado, o curso de especialização em Odontopediatria é oferecido em universidades públicas e privadas, com duração média de 24 meses.