">
line
logo
Menu

Informativo

Conselhos se mobilizam para evitar a oferta de graduação por EaD na Odontologia

14/05/2018 às 09:20

A educação a distância foi tema da I Reunião dos Conselhos Profissionais da Área da Saúde. Realizado em Brasília em 10.05, o encontro contou com a participação do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP), representado pelo secretário-geral, Marco Manfredini, e de  representantes dos Conselhos Federal de Odontologia (CFO) e Regionais da Bahia, do Rio Grande do Sul, de Minas Gerais, Santa Catarina  e do Distrito Federal. O evento foi organizado pelo Fórum dos Conselhos Federais da Área da Saúde.

Na primeira etapa da reunião, o deputado Luiz Henrique Mandetta, apontou que a aprovação do substitutivo ao Projeto de Lei nº 5414/2016, sobre cursos na modalidade de ensino a distância (EaD), na área da saúde, pela Comissão de Educação da Câmara, “foi uma delinquência legislativa”. A proposta em questão, ao contrário do texto original, prevê a ampliação na oferta de cursos EaD. Hoje estão anexados ao PL nº 5414/2016, outros dois projetos, o de nº 16858/2017 e o de nº 7121/2017. 

O deputado Mandetta também assumiu o compromisso de criar uma comissão com representantes dos conselhos de saúde para discutir uma proposta alternativa ao substitutivo aprovado pela Comissão de Educação. O presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Francisco Batista Júnior, também participou, manifestando-se contrário à graduação em EaD, elencando todas as ações adotadas pelo CNS.

Durante os debates, ficou evidente que a implantação açodada do EaD na graduação em saúde atende aos interesses dos grandes conglomerados empresariais do ensino. Dos cursos de graduação em saúde por EaD, 97% são privados.

De acordo com o secretário do CROSP, essa mobilização é de suma importância. “Se o PL for aprovado da forma como ele está no substitutivo da Comissão de Educação poderá ser uma porta aberta para a criação de cursos de Odontologia na modalidade EaD. Devemos nos somar aos outros conselhos profissionais nesta luta”, diz.

Segundo Manfredini, não se trata de ser contrário à incorporação de tecnologias de educação a distância.  "A  formação em saúde não prescinde da educação presencial. Um cirurgião-dentista precisa ter contato com pacientes em sua graduação e aprender o significado do cuidado”.

Em 15.05 representantes dos conselhos federais de saúde participam de audiência pública  em Brasília com parlamentares, desta vez da Comissão de Saúde e a Comissão de Seguridade Social e Família.

 

Informativo

Conselhos se mobilizam para evitar a oferta de graduação por EaD na Odontologia

14/05/2018 às 09:20

A educação a distância foi tema da I Reunião dos Conselhos Profissionais da Área da Saúde. Realizado em Brasília em 10.05, o encontro contou com a participação do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP), representado pelo secretário-geral, Marco Manfredini, e de  representantes dos Conselhos Federal de Odontologia (CFO) e Regionais da Bahia, do Rio Grande do Sul, de Minas Gerais, Santa Catarina  e do Distrito Federal. O evento foi organizado pelo Fórum dos Conselhos Federais da Área da Saúde.

Na primeira etapa da reunião, o deputado Luiz Henrique Mandetta, apontou que a aprovação do substitutivo ao Projeto de Lei nº 5414/2016, sobre cursos na modalidade de ensino a distância (EaD), na área da saúde, pela Comissão de Educação da Câmara, “foi uma delinquência legislativa”. A proposta em questão, ao contrário do texto original, prevê a ampliação na oferta de cursos EaD. Hoje estão anexados ao PL nº 5414/2016, outros dois projetos, o de nº 16858/2017 e o de nº 7121/2017. 

O deputado Mandetta também assumiu o compromisso de criar uma comissão com representantes dos conselhos de saúde para discutir uma proposta alternativa ao substitutivo aprovado pela Comissão de Educação. O presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Francisco Batista Júnior, também participou, manifestando-se contrário à graduação em EaD, elencando todas as ações adotadas pelo CNS.

Durante os debates, ficou evidente que a implantação açodada do EaD na graduação em saúde atende aos interesses dos grandes conglomerados empresariais do ensino. Dos cursos de graduação em saúde por EaD, 97% são privados.

De acordo com o secretário do CROSP, essa mobilização é de suma importância. “Se o PL for aprovado da forma como ele está no substitutivo da Comissão de Educação poderá ser uma porta aberta para a criação de cursos de Odontologia na modalidade EaD. Devemos nos somar aos outros conselhos profissionais nesta luta”, diz.

Segundo Manfredini, não se trata de ser contrário à incorporação de tecnologias de educação a distância.  "A  formação em saúde não prescinde da educação presencial. Um cirurgião-dentista precisa ter contato com pacientes em sua graduação e aprender o significado do cuidado”.

Em 15.05 representantes dos conselhos federais de saúde participam de audiência pública  em Brasília com parlamentares, desta vez da Comissão de Saúde e a Comissão de Seguridade Social e Família.