">
line
logo
Menu

Câmaras Técnicas

Implantodontia


A especialidade é uma área específica do conhecimento, exercida por profissional qualificado a executar procedimentos de maior complexidade, na busca de eficácia e da eficiência de suas ações.

No exercício de qualquer especialidade odontológica o cirurgião-dentista poderá prescrever medicamentos e solicitar exames complementares que se fizerem necessários ao desempenho em suas áreas de competência.

O exercício da especialidade não implica na obrigatoriedade de atuação do profissional em todas as áreas de competência, podendo ele atuar, de forma preponderante, em apenas uma delas.

 

A COMPETÊNCIA DO ESPECIALISTA EM IMPLANTODONTIA

 

Implantodontia é a especialidade que tem como objetivo a implantação na mandíbula e na maxila, de materiais aloplásticos destinados a suportar próteses unitárias, parciais ou removíveis e próteses totais.

 

As áreas de competência para atuação do especialista em Implantodontia incluem:

diagnóstico das condições das estruturas ósseas dos maxilares

diagnóstico das alterações das mucosas bucais, e das estruturas de suporte dos elementos dentários;

técnicas e procedimentos de laboratório relativos aos diferentes tipos de prótese a serem executadas sobre os implantes;

técnicas cirúrgicas especificas ou afins nas colocações de implantes;

manutenção e controle dos implantes; e,

realização de enxertos ósseos e gengivais e de implantes dentários no complexo maxilo-facial.

 

No Brasil, são instalados quase 1 milhão de implantes por ano. Com 21 empresas nacionais, o país ocupa o quarto lugar nesse mercado – atrás dos Estados Unidos (38), Alemanha(30) e Itália (28).

 

Neste cenário, a Implantodontia é uma especialidade crescente: dos 250 mil cirurgiões-dentistas inscritos no CFO (Conselho Federal de Odontologia), temos 9.151 especialistas em Implantodontia e uma estimativa de formação de mais 2.000 especialistas por ano.

 

Em 2015 ela será reconhecida como especialidade pela União Europeia.

 

A instalação de implante passa por: primeira consulta para estabelecer um plano de tratamento; retorno com exames complementares; moldagens para confecção de guias; instalação do implante e retorno do pós-operatório.

 

Como sabemos, esta terceira dentição precisa dos mesmos cuidados que a original. E pode ser perdida se o paciente for negligente com sua saúde bucal e não observar as indicações do profissional para manutenção do tratamento odontológico e prevenção de riscos e eventuais danos.

 

Prevenção é fundamental para manter o implante, que pode fraturar por causa de alimentação imprópria, adquirir doença gengival e peri implantar tal qual o dente original perdido por gengivite ou periodontite.

 

Se levarmos em consideração que a estimativa da OMS (Organização Mundial de Saúde) tem como expectativa de vida 76 anos a idade média da população brasileira, os cuidados com os implantes instalados devem ser ponto de atenção para obtermos longevidade nos tratamentos.

 

REABILITAÇÃO REPRESENTA 50% DOS ATENDIMENTOS

 

As reabilitações com implante representam quase 50% dos procedimentos realizados no Brasil. Se há cerca de 250 mil dentistas no país e supondo que 80% estejam em atividade, são 200 mil cirurgiões-dentistas produzindo, em procedimentos.

 

Essa demanda tem expectativa de crescimento anual de 10% na próxima década, levando o Brasil ao topo da lista de implantes instalados. Tal prosperidade deve vir acompanhada de conhecimento.


CONTATO

implantodontia@crosp.org.br

Portal de Especialidades

Implantodontia


A especialidade é uma área específica do conhecimento, exercida por profissional qualificado a executar procedimentos de maior complexidade, na busca de eficácia e da eficiência de suas ações.

No exercício de qualquer especialidade odontológica o cirurgião-dentista poderá prescrever medicamentos e solicitar exames complementares que se fizerem necessários ao desempenho em suas áreas de competência.

O exercício da especialidade não implica na obrigatoriedade de atuação do profissional em todas as áreas de competência, podendo ele atuar, de forma preponderante, em apenas uma delas.

 

A COMPETÊNCIA DO ESPECIALISTA EM IMPLANTODONTIA

 

Implantodontia é a especialidade que tem como objetivo a implantação na mandíbula e na maxila, de materiais aloplásticos destinados a suportar próteses unitárias, parciais ou removíveis e próteses totais.

 

As áreas de competência para atuação do especialista em Implantodontia incluem:

diagnóstico das condições das estruturas ósseas dos maxilares

diagnóstico das alterações das mucosas bucais, e das estruturas de suporte dos elementos dentários;

técnicas e procedimentos de laboratório relativos aos diferentes tipos de prótese a serem executadas sobre os implantes;

técnicas cirúrgicas especificas ou afins nas colocações de implantes;

manutenção e controle dos implantes; e,

realização de enxertos ósseos e gengivais e de implantes dentários no complexo maxilo-facial.

 

No Brasil, são instalados quase 1 milhão de implantes por ano. Com 21 empresas nacionais, o país ocupa o quarto lugar nesse mercado – atrás dos Estados Unidos (38), Alemanha(30) e Itália (28).

 

Neste cenário, a Implantodontia é uma especialidade crescente: dos 250 mil cirurgiões-dentistas inscritos no CFO (Conselho Federal de Odontologia), temos 9.151 especialistas em Implantodontia e uma estimativa de formação de mais 2.000 especialistas por ano.

 

Em 2015 ela será reconhecida como especialidade pela União Europeia.

 

A instalação de implante passa por: primeira consulta para estabelecer um plano de tratamento; retorno com exames complementares; moldagens para confecção de guias; instalação do implante e retorno do pós-operatório.

 

Como sabemos, esta terceira dentição precisa dos mesmos cuidados que a original. E pode ser perdida se o paciente for negligente com sua saúde bucal e não observar as indicações do profissional para manutenção do tratamento odontológico e prevenção de riscos e eventuais danos.

 

Prevenção é fundamental para manter o implante, que pode fraturar por causa de alimentação imprópria, adquirir doença gengival e peri implantar tal qual o dente original perdido por gengivite ou periodontite.

 

Se levarmos em consideração que a estimativa da OMS (Organização Mundial de Saúde) tem como expectativa de vida 76 anos a idade média da população brasileira, os cuidados com os implantes instalados devem ser ponto de atenção para obtermos longevidade nos tratamentos.

 

REABILITAÇÃO REPRESENTA 50% DOS ATENDIMENTOS

 

As reabilitações com implante representam quase 50% dos procedimentos realizados no Brasil. Se há cerca de 250 mil dentistas no país e supondo que 80% estejam em atividade, são 200 mil cirurgiões-dentistas produzindo, em procedimentos.

 

Essa demanda tem expectativa de crescimento anual de 10% na próxima década, levando o Brasil ao topo da lista de implantes instalados. Tal prosperidade deve vir acompanhada de conhecimento.


CONTATO

implantodontia@crosp.org.br